digitação original: 07/08/2000

OSCAR WEINSCHENCK, 2º PREFEITO DE PETRÓPOLIS
(1917 - 1921)

Raul Lopes

Oswaldo Gonçalves Cruz, cientista de fama internacional, nosso 1º prefeito, por motivo de doença e hostilizado por políticos da terra, deixou o cargo em  31 de janeiro de 1917.

Com a vacância do cargo, o presidente do Estado do Rio de Janeiro, Nilo Peçanha, “iniciou a pinçagem de um nome para ocupar tão relevante posto”.  Desejava o presidente continuar a obra tão bem iniciada por Oswaldo Cruz, firmando definitivamente a Prefeitura Municipal de Petrópolis.  Candidatos não faltaram.  Ele queria nomear uma pessoa de peso, apolítico como Oswaldo Cruz.  Ponderava, ouvia, e não se deixava envolver.

Nesse período de espera, Petrópolis vinha sendo administrada, interinamente, pelos vereadores-presidente da Casa Legislativa:  José Leopoldo de Bulhões Júnior e Domingos de Souza Nogueira.

Nessa época, destacava-se em suas atividades profissionais e participativas em várias comissões de estudos em favor da comunidade, nestas sem remuneração, o engenheiro Oscar Weinschenck, atuando na Capital e no Estado do Rio de Janeiro.

Nilo Peçanha, após ponderações políticas, não vacilou em nomear para segundo prefeito de Petrópolis o Dr. Oscar Weinschenck.

Ele era natural do Rio  de Janeiro, onde nasceu no ano de 1880.  Formou-se em engenharia e tornou-se, apoliticamente, um homem público de notória probidade e eficiência.

No dia 05 de maio de 1917, finalmente assumia a Prefeitura Municipal de Petrópolis, como seu 2º Prefeito, recebido e empossado sob geral expectativa.  Seu primeiro ato foi nomear o engenheiro Antonio de Andrade Botelho, Diretor Geral da Prefeitura.

Sua operosidade foi marcante, reestruturando eficientemente a Prefeitura e as normas que disciplinariam a vida da cidade.  As deliberações e atos assinados durante seu governo foram inúmeros e de primordiais importância.

“Dentro dos assuntos da relevância que Oscar Weinschenck deitou especial atenção e resolveu em benefício da cidade, merecem ser destacados:

Em 1917 organização de um serviço de extinção de incêndios da cidade, assunto que fora veiculado na administração de Oswaldo Cruz; aquisição de terrenos para alargamento do cemitério municipal do 1º distrito; ampliação dos serviços de diligências entre bairros e distritos; reorganização da Inspetoria de Higiene e Assistência Municipal; criação da Inspetoria Agrícola; subvenção às linhas de Tiro, inclusive com a construção do “stand” para o Tiro nº 302; criação de diversos cargos na Prefeitura, tais como o de pegador na Tesouraria e de depositários públicos para a guarda de animais apreendidos em via pública; estabeleceu o horário de funcionamento comercial, inclusive determinando o respeito aos domingos e feriados nacionais, além de disciplinar a abertura especial de estabelecimentos comerciais em dias sem trabalho, porém de elevado interesse público, como padarias, açougues, casas de frutas, etc., estabeleceu providências sobre a matança e distribuição do gado, com tabelas; providenciou aberturas de ruas, avenidas e praças, somente com expressa autorização do Prefeito e sob condições que determinou na postura nº 04 de 30 dezembro;  nomeou peritos para vistoriarem o Teatro Petrópolis e o Cinema Rio Branco, casas de diversões, a fim de verificar as condições de segurança e higiene.  Nesse particular, os peritos constataram que ambas as casas não ofereciam todos os requisitos de segurança e higiene, determinando o prefeito Oscar Weinschenck, pelos atos nºs 72 e 73, que os proprietários procedessem aos imediatos reparos e colocassem as casas em funcionamento de acordo com as posturas em vigor.”

Nos anos de 1918 e 1919, continua com atos de grande importância para a cidade, destacando-se alguns:  instalação da exposição de produtos industriais e agrícolas no Palácio de Cristal; criação do Recolhimento dos Desvalidos de Petrópolis, ao qual deu a primeira subvenção de seis contos de réis anuais; organização dos serviços internos da Prefeitura, distribuindo-os em sete departamentos administrativos; promulgação da deliberação que substituiu a denominação da Rua Palatinato para Rua Dr. Sá  Earp, numa justa homenagem a uma das grandes figuras da cidade; criação do Corpo de Bombeiros Municipais:  criação do Imposto de Testada, que fora tentado por Oswaldo Cruz, sem êxito por problemas políticos; criação do Código Sanitário; continuação das obras de reconstrução da Estrada União e Indústria; instalação da ponte de ferro sobre o Rio Preto, no 5º Distrito do município.

“Iniciou uma série de obras públicas, classificadas em duas etapas:  obras na cidade (canalização de águas, calçamento, ajardinamento e construção de feiras livres, etc.); obras nos distritos (melhoramento de estradas e construção de novas vias, novas pontes, calçamento de ruas, abastecimento de água e iluminação elétrica).”

Em seu governo, dois fatos prejudicaram sua administração:  a primeira guerra mundial que trouxe apreensões, perseguições, instabilidade financeira e a célebre epidemia de “gripe espanhola” que ceifou elevado número da população carioca, trazendo, por conseqüência, para Petrópolis acentuada leva de  “veranistas”  fora de época e, depois, a chegada da epidemia ao Município que, igualmente, atingiu muita gravidade.

Oscar Weinchenck era casado com Hortênsia Weinschenck e foi pai de três filhos:  Guilherme, Walter e Heloísa.

Vários empreendimentos profissionais, públicos e filantrópico - culturais na Capital, no Estado do Rio e Petrópolis, tiveram sua participação como profissional ou como conselheiro. Sempre foi operoso e eficiente.

No dia 18 de setembro de 1921, passou o cargo para o Dr. José de Barros Franco Júnior, passando a dedicar-se aos seus assuntos particulares, sem se furtar a continuar prestando grande e inestimável colaboração à cidade de Petrópolis, que tanto amava.

Faleceu no dia 09 de outubro de 1949 em sua residência, à Rua Voluntários da Pátria, nº 204, Rio de Janeiro, e foi sepultado no Cemitério São João Batista.

(Nota:  Este resumo biográfico foi extraído da pesquisa de  Joaquim Eloy Duarte dos Santos, membro do I.H.P., publicada em 1993.)

topo da página

índice de trabalhos

índice de autores