digitação utilizada para inclusão no site:
12/11/2011

Tribuna de Petrópolis:
12/11/2011

UMA fábula: deu no que deu

Joaquim Eloy Duarte dos Santos

Após consulta com o cardiologista, o veredito:

- Pressão arterial altíssima; o senhor terá que controlar a pressão, o  colesterol e o sangue pelo resto da vida. Por enquanto, até mais ver, um controle medicamentoso com três remédios diários: um pela manhã, o outro com o almoço e o terceiro na hora de dormir.

Pedi à minha mulher para comprar os três remédios.

- Qual a farmácia? – perguntou.

- Qualquer uma de sua escolha nas mais de três dezenas espalhadas ao longo da Rua do Imperador e outras tantas em todo o Município – respondi.

Ela foi e cumpriu bem a missão. Entregou-me as três caixinhas, recomendando (será que todas as esposas recomendam tanto?):

- Leia atentamente as bulas que eu vou controlar as dosagens e os horários.

- Ora, você sabe que estou quase nos oitenta anos, enxergo muito menos, não consigo ler as letrinhas miúdas desse verdadeiro testamento – disse.

- Está certo e também não adianta ler aquele palavrório todo; não se entende bulufas de pitibiriba ! -  complementou.

- E a notinha da farmácia? Perguntei.

- Na bolsa; pode pegar.

- Cai dentro da bolsa em meio a um desorganizado mundaréu de tudo, conseguindo achar a nota fiscal. Não consegui gritar.

Gelei, suei, fui invadido por dores suspeitíssimas e desmaiei.

Em uma maca do pronto-socorro, acordando, ouvi ao longe uma voz masculina:

- Eu recomendei à senhora não mostrar a ele as notinhas das farmácias. Embora os remédios sejam eficazes e salvem os pacientes, os preços matam. Deu no que deu!

Moral da História: com a mesma medicação os cientistas salvam e os laboratórios e farmacêuticos matam!

topo da página

índice de trabalhos

índice de autores