digitação utilizada para inclusão no site:
31/07/2000

Acervo Histórico de Gabriel Kopke Fróes - Via Internet
www.earp.arthur.nom.br 
- em 13/09/2005,
Arquivo cdb03002, rg 6837,  revisto para o site.

 SPANGENBERG, CARLOS

Gabriel Kopke Fróes

Carlos Spangenberg, nascido em Nobiskrug, no Hanover, Alemanha, a 25 de abril de 1821, chegou ao Brasil em 1845, ao mesmo tempo em que chegavam a Petrópolis os primeiros colonos alemães.

Residiu, inicialmente, na Corte, como empregado da casa Léger & Cia., mas não suportando o clima do Rio de Janeiro, transferiu sua residência, dois anos após, para a então nascente colônia alemã de Petrópolis.

Em 1847, adquiriu os terrenos da Rua dos Protestantes, atual Rua 13 de Maio, ainda hoje pertencentes a descendentes seus.

O probo hanoveriano era construtor de obras e muitas das principais casas residenciais foram aqui levantadas por ele, como, por exemplo, os palacetes Frias, Vigneron, Guerra e Silva Teles, este último no Valparaiso, demolido em 1968 e ainda a Igreja Evangélica.

Foi o primeiro presidente da Sociedade de Agricultura e Indústria de Petrópolis aqui fundada entre 1854/1856.

Logo que se instalou em Petrópolis, Carlos Spangenberg montou uma fábrica de bengalas que se tornariam célebres em todo o Brasil e até no exterior.

Mas, além da fabricação de bengalas, manipulava ele em madeira inúmeros outros objetos, verdadeiras obras de arte, disputadas hoje pelos colecionadores e antiquários.

Houve época em que o “chic” mesmo era o visitante levar daqui uma “bengala de Petrópolis” como recordação. Um dos principais fregueses era o Imperador Pedro II que as adquiria para ofertá-las aos visitantes ilustres.

Floresceu, assim, durante longos anos, a original indústria petropolitana, até que, a 16 de novembro de 1890, faleceu seu criador, o artista Carlos Spangenberg.

topo da página

índice de trabalhos

índice de autores