digitação utilizada para inclusão no site:
06/02/2005

Ameaça dos NEOs - Fogo, Trevas, Tsunamis (5)

Fernando M. Gomide

CAPÍTULO III - (Primeira parte)

REVELAÇÕES PARTICULARES CLÁSSICAS. O GRANDE
CASTIGO DE TREVAS E FOGO

III.0 - AS REVELAÇÕES PARTICULARES CLÁSSICAS SÃO AQUELAS QUE NÃO FEREM A FÉ E A MORAL, ALÉM DE NÃO ENCERRAREM COISAS BIZARRAS, NADA DE INDECOROSO, INEXISTÊNCIA DE VIOLAÇÃO DA CRONOLOGIA OU DAS LEIS NATURAIS

Conheço uma lista não pequena de falsos profetas e videntes e aqui vou dar dois exemplos, estes: a freira espanhola Maria de Agreda (+1665) e a religiosa alemã Ana Catarina Emmerich (+1824). Todas as duas apresentam longas visões onde abundam revelações de milagres absurdos e idéias teologicamente inaceitáveis, sendo que em Catarina Emmerich existe uma teoria herética condenada pela Igreja no século XVII a propósito da reprodução humana que seria diferente se não tivesse havido pecado original.

Mas vou apenas me referir a duas "visões" que são incompatíveis com as leis da ordem material. Maria de Agreda afirma que antes do pecado original os peixes não se comiam uns aos outros (1). Uma completa sandice que viola as leis da cadeia alimentar instituídas por Deus. E Catarina Emmerich afirmou que na Lua existe vida animal e vegetal (2). É parvoice contrária a toda a evidência astronômica e astrofísica. Mas os censores eclesiásticos dotados de monumental ignorância defendem a estultícia de Catarina Emmerich nestes termos:

"Os astrônomos afirmam que não há nuvens nem entes vivos e nem águas na Lua; mas podem afirmar o mesmo da parte que nunca é visível para nós?" (2)

(1) Maria de Agreda.  Mistica Ciudad de Dios, Vol. V, Herederos de Juan Gili, Editores, Barcelona, 1914, p. 91.
(2) Anna Catarina Emmerich.  Visiones y Revelaciones Completas, T. IV, Editorial Guadalupe, Buenos Aires, 1944, p. 479.


Cáspite!

Nas presentes revelações clássicas temos três santos, duas santas e duas bem-aventuradas. Há um número não pequeno de videntes leigos, como profissionais, donas de casa, mães de família. Isto evoca aquilo que disse Jesus Cristo a Nicodemos:

"O Espírito sopra onde quer; ouve-lhes sua voz mas não sabes donde vem, nem para onde vai. Assim acontece com aquele que nasceu do Espírito" (3).

A maior parte das revelações particulares que abordamos agora, dizem respeito a acontecimentos futuros (sem data) sobre Três Dias de Trevas e chuva de fogo que destruirá três quartos da raça humana. O frade servita americano Albert Hebert lista vinte e oito videntes desse acontecimento futuro e inclui na lista um cientista húngaro e um físico nuclear americano (4).

(3) Jo. III, 8.
(4) Albert J. Herbert, S.M.  The Three Days’ Darkness, P.O Box 309, Paulina, La. 70763, 1988.


III.1 - STA. HILDEGARDA DE BINGEN (SÉC. XI-XII)

Contrariamente ao que pensa a choldra de intelectuais semiletrados em países europeus como Alemanha, França, assim como Estados Unidos e Brasil, especialmente abundantes neste, a mulher medieval era muito independente e culta e participava das eleições nos burgos. Este direito como outros, as pessoas do sexo feminino perderam quando baixou sobre a Cristandade o neo-paganismo da Renascença. O direito de votar, as mulheres recuperaram só no início do século XX, e, no Brasil, década de 30 do mesmo século, no primeiro Governo de Getúlio Vargas.

Bem, Hildegarda de Bingen, monja beneditina, foi um exemplo paradigmático de mulher medieval. Mulher muito estudiosa deixou uma obra escrita não pequena, onde a medicina era especialmente enfocada. Seus escritos médicos, em larga medida baseados em Aristóteles e Galeno estão presentes na história universal das ciências. O especialista britânico Charles Singer fez estudos e publicou trabalhos sobre as obras médicas de Sta. Hildegarda (5).

(5) Sabina Flanagan.  Hildegard of Bingen, Routledge, N. York, 1996.


Sta. Hildegarda, mulher de grande vida mística, teve visões e recebeu revelações proféticas das quais vou citar esta:

"Antes que o cometa venha, muitas nações, excluídas as boas, serão flageladas com penúria e fome. A grande nação no oceano habitada por povos de diferentes tribos e descendência será devastada por um terremoto, tempestades e ondas sísmicas. Será dividida e em grande parte submersa". "O cometa por sua tremenda pressão forçará muita água do oceano para fora e inundará muitos países..." "Todas as cidades costeiras serão vulneráveis e muitas delas serão destruídas pelos tsunamis e a maioria dos entes vivos serão mortos..." "Pois em nenhuma dessas cidades alguma pessoa vivia de acordo com as leis de Deus" (6).

(6) Rev. R. Gerald Culleton.  The Prophets and Our Times, Tan Books and Publishers, Inc. Rockford, Illinois, 1974, pp. 139-140.


Lembremo-nos do Capítulo I quando tratamos dos efeitos de uma colisão de asteróide ou cometa sobre nosso planeta. A visão de Sta. Hildegarda corresponde ao que se espera de um cometa caindo no oceano. Lembremo-nos ainda das palavras da Irmã Lúcia que transcrevemos em II.7: várias nações serão aniquiladas. Esse tal cometa poderia efetivamente causar tal efeito; uma guerra mundial não.

III.2 - SÃO DOMINGOS (SÉC. XII-XIII). SÃO VICENTE FERRER (SÉC. XIV-XV)

Vejamos agora revelações e interpretações de revelações em dois dominicanos, o fundador da Ordem, S. Domingos e S. Vicente Ferrer célebre pregador popular e taumaturgo. Por ocasião da festa comemorativa de S. Domingos, S. Vicente em seu sermão fala de uma visão do primeiro, ou seja:

"Numa noite em que S. Domingos estava orando numa Igreja e S. Francisco fazendo o mesmo, aos dois apareceu Cristo com três lanças para destruir o mundo. Enquanto os dois fundadores pensavam se não havia algum santo que revogasse a sentença, apareceu de repente a Virgem Maria..."

Ela consegue de Seu Filho que a destruição fosse protelada. Continua S. Vicente:

"Essas três lanças destruidoras são as três grandes tribulações que virão logo sobre o mundo. A primeira é a perseguição do Anticristo; pode se chamar lança porque transpassará todo o mundo. A segunda será a consumação do mundo pelo fogo... A terceira é a sentença judicial de Cristo".

Neste mesmo sermão S. Vicente ainda acrescenta:

"No tempo do Anticristo a Igreja estará como morta. Depois da morte do Anticristo a Igreja será perfeita, porque então todos voltarão à Fé de Cristo".

S. Vicente Ferrer apresenta pois a seguinte sucessão cronológica: Anticristo, fogo e conversão (7).

(7) S. Vicente Ferrer.  Na Festa de S. Domingos, Fundador da Ordem dos Predicadores. Biografia y Escritos de San Vicente Ferrer, B.A.C., Madrid, 1956.


Acontece que noutros escritos do santo dominico ele fala candentemente da apostasia que se deflagrou em sua época, no século XV. A monumental carga de paganismo que baixou na Cristandade da Renascença foi indiscutivelmente o início da autodemolição da Igreja anunciada por Paulo VI em 1968. Defendo a teoria, que essa autodemolição teve início com a paganização da arte na Igreja como a arquitetura e a pintura e a paganização da filosofia pela vergonhosa subserviência dos mestres de filosofia ao jugo de Aristóteles (8).

Leitores desatentos de S. Vicente Ferrer, em especial eclesiásticos, têm afirmado que o santo esperava o Anticristo e o fim do mundo para sua época. Falso! O que se vê em S. Vicente é que a apostasia que ele corretamente identificou no século XV, deveria trazer o Anticristo sem especificar quando. O santo em sua reflexão pensou em conformidade com o anúncio profético de S. Paulo no seguinte oráculo:

"Que ninguém vos iluda de nenhum modo pois antes que venha a apostasia primeiro e o homem do pecado se revele, o filho da perdição" (9).

(8) F.M. Gomide.  Da Filosofia Mecanicista à Física do Caos e da Indeterminação, Papel e Virtual Editora, Rio de Janeiro, 2005, Cap. XII.
(9)
II Tess. II, 3.


Isto disse S. Paulo para tirar da cabeça dos tessalonissenses que a parusia estava para acontecer logo.

Essa apostasia anunciada por S. Paulo, foi identificada por S. Vicente Ferrer no século XV e ela vem crescendo paulatinamente há mais de cinco séculos. São Vicente Ferrer junto com S. Domingos apresenta esta sucessão cronológica: apostasia, Anticristo, castigo de fogo e renovação da Igreja. Chamo a atenção para isto: o santo não coloca a parusia logo após a morte do Anticristo. Contrariamente a certa exegese errônea, o fim do mundo não vem a toque de caixa com a morte do filho da perdição. Essa exegese foi tornada obsoleta no século XIII com Sto. Tomás de Aquino, que muito lucidamente percebeu isto: como a duração da dominação do Anticristo será de três anos e meio, com sua morte estaria determinada a parusia com antecedência de 1260 dias, o que contradiz palavras de Jesus Cristo de que Ele viria como o ladrão (10).

(10) Sto. Tomás.  Sup. S.T. q.77, a.2.


III.3- IRMÃ MARIA DA NATIVIDADE (+1798)

"Com a queda do Anticristo virão severos terremotos e densas trevas cobrirão o mundo, o solo se abrirá em milhares de lugares sob os pés dos habitantes de cidades, castelos, vilas e um imenso número de pessoas serão tragadas... O oceano se moverá apavorantemente e ondas subirão sobrepassando a costa e inundando a terra. Todas essas calamidades são somente para assustar os restantes para aceitarem a graça e a misericórdia de Deus".

"Quinze dias depois da ascensão de Elias e Henoc ao céu, terríveis catástrofes virão sobre a Terra: os mais severos terremotos, tsunamis inundando muito da superfície, da terra, culminando com densas trevas sobre a Terra inteira" (11).

Este oráculo segue a seqüência cronológica apontada em III.2. Observemos que o castigo apresenta um cenário típico de efeitos produzidos por um impacto de asteróide ou cometa: terremotos em muitos lugares, tsunamis inundando países e densas trevas.

(11) Rev. R. Gerald Culleton.  The Reign of Antichrist, Tan Books and Pub., Inc. Rockford, Illinois, 1974, pp. 155-156.


III.4 - IRMÃ MARIANA DAS URSULINAS DE BLOIS (+1804)

Esta religiosa vaticinou a queda de Napoleão Bonaparte e seu rápido retorno da Ilha de Elba. Seu oráculo sobre o castigo:

"Os bons católicos chegarão ao ponto de serem aniquilados, mas o poder de Deus e um golpe do céu os salvarão. Todos os ímpios perecerão, mas também muitos bons católicos". "Tais eventos extraordinários terão lugar, tal que muitos incrédulos serão forçados a dizer: 'em verdade o dedo de Deus está aqui'. Haverá uma noite terrível durante o qual ninguém poderá dormir. Mas essas provações não durarão muito porque ninguém as poderá suportar. Quando tudo parecia perdido, tudo será salvo" (4).

(4) Albert J. Herbert, S.M.  The Three Days’ Darkness, P.O Box 309, Paulina, La. 70763, 1988.


III.5 - BEM-AVENTURADA ELIZABETH CANORI-MORA (+1825)

Viúva que foi casada com nobre da Família Mora. Beatificada há pouco tempo pelo Papa João Paulo II. Sua profecia encerra uma parte de uma visão simbólica de S. Pedro preparando uma proteção sobrenatural para os servidores de Deus durante o castigo. Também teve visão de S. Pedro escolhendo o novo Papa depois da punição divina. Após a visão simbólica de S. Pedro disse:

"... quando o céu foi coberto por nuvens tão densas que era impossível olhá-las sem desolação. De repente estourou uma tal terrível e violenta ventania que seu ruído parecia o rugido de furiosos leões. O barulho do apavorante furacão foi ouvido sobre a Terra toda. Medo e terror golpeou não só homens mas os próprios animais... Deus empregará os poderes do inferno para a exterminação desses ímpios e pessoas heréticas que desejam derrubar a Igreja e destruí-la até seus fundamentos... Ele punirá esses ímpios blasfemadores, dando permissão aos espíritos infernais saírem do inferno, inumeráveis legiões de demônios percorrerão a Terra e executarão as ordens da divina justiça, causando terríveis calamidades e desastres; eles atacarão tudo; ferirão pessoas individuais e famílias inteiras; devastarão propriedades, produções alimentares, cidades e vilas. Nada na Terra será poupado. Deus permitirá que esses demônios golpeiem com a morte esses homens ímpios, porque eles se entregaram aos poderes infernais e formaram com eles um pacto contra a Igreja Católica..." "Depois dessa espantosa punição vi os céus se abrirem e S. Pedro descendo de novo até à Terra... Então vi uma grande luz sobre a Terra que era o sinal de reconciliação de Deus com o homem". "S. Pedro escolheu o novo Papa". "Todos os homens se tornarão católicos e reconhecerão o Papa como vigário de Jesus Cristo" (6).

A vidente apresenta aqui outro tipo de efeito do impacto de cometa ou asteróide: furacões e barulho ensurdecedor.

(6) Rev. R. Gerald Culleton.  The Prophets and Our Times, Tan Books and Publishers, Inc. Rockford, Illinois, 1974, pp. 139-140.


III.6 - Pe. ALBERT SAUVAGEAU (+1826)

Este sacerdote morreu em odor de santidade e seu túmulo tornou-se centro de devoção. Ele sobreviveu a torturas infligidas pelos celerados da Revolução Francesa. Fez profecias sobre as três invasões da França pelos alemães: na guerra Franco-Prussiana em 1870, na I Guerra Mundial e na II Guerra Mundial. Para a segunda metade do século XX a barbárie que conhecemos: desordem da família e da sociedade em geral. Profetizou os Três Dias de Trevas:

"A situação se tornará tão séria que Deus terá que intervir na forma de três dias e três noites de trevas perpétuas. Durante esses três dias e três noites nada dará luz a não ser velas bentas e só crianças inocentes e pessoas em estado de graça poderão acendê-las" (4).

(4) Albert J. Herbert, S.M.  The Three Days’ Darkness, P.O Box 309, Paulina, La. 70763, 1988.


III.7- BEM-AVENTURADA ANNA MARIA TAIGI (+1837)

Dona de casa mãe de oito filhos, casada com mordomo de palácio de família nobre italiana. Aliou sua vida de dona de casa muito operosa (oito filhos e um marido difícil que gostava de boas doses do delicioso vinho italiano) com profunda vida contemplativa. Sua sabedoria passou a ser conhecida pelo Clero do Vaticano, tal que até cardeais iam se consultar com a bem-aventurada. Disse isto:

"... durante sucessivos dias viu impenetrável trevas negras cobrirem a Terra". "Parece ser questão aqui de trevas físicas... as trevas durarão três dias e durante esse tempo só as velas bentas iluminarão" (12).

(12) Albert Bessierès, S.J.  Wife, Mother and Mystic (Blessed Anna Maria Taigi), Tan Books and Pub., Inc. Rockford, Illinois, 1952.


III.8- SÃO GASPARE DEL BUFALO (+1837)

Este santo italiano profetizou a destruição dos impenitentes perseguidores da Igreja durante três dias de trevas. Acrescentou:

"Aquele que sobreviver às trevas e terror de três dias, aparecerá a ele estar só na Terra, pelo fato de que o mundo estará em todo lugar coberto de carcaças" (6).

Disse também:

"Todos os inimigos da Igreja, secretos ou desconhecidos, morrerão sobre a Terra durante as trevas universais, com exceção de alguns que Deus converterá logo em seguida. O ar será infectado por demônios que aparecerão sob toda a sorte de formas hediondas" (4).

(6) Rev. R. Gerald Culleton.  The Prophets and Our Times, Tan Books and Publishers, Inc. Rockford, Illinois, 1974, pp. 139-140.
(4) Albert J. Herbert, S.M.  The Three Days’ Darkness, P.O Box 309, Paulina, La. 70763, 1988.

topo da página

índice de trabalhos

índice de autores