digitação utilizada para inclusão no site:
06/02/2005

Ameaça dos NEOs - Fogo, Trevas, Tsunamis (4)

Fernando M. Gomide

CAPÍTULO II - (Segunda parte)

II.6 - OS FALSOS SEGREDOS DE LA SALETTE (SÉC. XIX-XX)

São dois superlativos exemplos de textos ditos proféticos inconfundivelmente manipulados e/ou inventados.

Numa única aparição Nossa Senhora teria se revelado a duas crianças francesas, Maximino e Melânia. Aproveito para lembrar que o número de aparições a videntes é bem limitado: seis aparições em Fátima para as três crianças portuguesas, cinco para Sta. Margarida Maria, dezessete para Sta. Bernadete em Lourdes, uma vez para os dois meninos de Pontmain, cinco vezes para a jovem vidente de Pellevoisin, trinta vezes para as cinco crianças de Beauraing na Bélgica... Isto diz respeito a aparições reconhecidas como autênticas pelas autoridades eclesiásticas. Mas que dizer de mais de 1.300 aparições para a turma de Medjugorje?! E as revelações quase diárias ao Pe. Gobbi? Creio se tratar de delírios fantasistas.

Na aparição de la Salette, os dois videntes receberam uma mensagem profética que eles logo revelaram, esta: devido aos pecados de blasfêmia e trabalhos aos domingos viria um castigo consubstanciado em colapso das colheitas e conseqüente encarecimento dos produtos determinantes de fome e inanição. Isto efetivamente aconteceu e um milhão de pessoas na Europa morreram em conseqüência. Além dessa profecia realizada no século XIX, Maximino e Melânia receberam cada, um segredo. Estes dois segredos os videntes levaram às autoridades eclesiásticas indo parar nas mãos de Papa Pio IX que ficou bastante perturbado com o conteúdo dos mesmos dizendo apenas que se tratava de flagelos para os pecados da França, Alemanha, Itália, toda a Europa. O Papa determinou que os segredos não fossem revelados. Mas no fim do século XIX e início do século XX surgiram muitos escritos pela Europa como textos verdadeiros do segredo de Melânia, ou seja: os profetas de plantão começaram a agir. Muito escândalo foi causado por isso e o Sto. Ofício em 1915 condenou todo e qualquer livro, revista ou artigo reivindicando a autenticidade dos segredos. Eu pessoalmente conheço duas versões de tais textos que são discordantes. Vou analisar um texto apresentado como genuíno, mas que não resiste à crítica (24).

(24) Secrets of La Salette. The 101 Foundation, P.O. Box 151, Asbury, N. Jersey, 1994


O segredo de Maximino é curto, ao passo que o de Melânia é bastante extenso e confuso, visto que, a sucessão cronológica dos acontecimentos narrados parece ter sido embaralhada por algum manipulador. Vamos aos textos.

No segredo de Maximino esta "profecia": "O próximo Papa não será romano". Como na época o Papa era Pio IX, seu sucessor devia ser Leão XIII. Ora, nem um e nem outro eram romanos, mas italianos nascidos em cidades diferentes. Este "romano" aí significa que Leão XIII não seria de ortodoxia católica? Mas Leão XIII sucessor de Pio IX foi um dos grandes defensores da Fé, da moral e da justiça no Papado. Depois de profetizar a vinda de uma paz, esta frase esquisita: "Depois dessa paz ela será perturbada pelo monstro". Acontece que esta coisa aparece no jardim profético de matéria plástica de Joaquim de Flora, como vimos em II.4. Este monstro no céu do Abade Joaquim também está consignado nas sibilinas Centúrias de Nostradamus, (25) onde se diz:

Depois nascerá monstro de muito hedionda besta... (I, 80).
Então nascerá monstro perto e dentro de Ravena... (II, 32).

(25) Texte Original et Complete des Propheties de Michel Nostradamus. Texte Intégral Publié em 1611


Acrescenta: "O monstro chegará no fim deste século XIX, ou, no máximo, no começo do século XX". Bem, esta cronologia detona a "profecia". Ainda esta frase cronologicamente impossível e teologicamente absurda:

Nesse tempo (fim do século XIX, início do século XX) o Anticristo nascerá de uma freira de descendência hebraica, uma falsa virgem que terá relação com a antiga serpente, mestre da impureza e putrefação. Seu pai será bispo... seus irmãos não serão encarnados como ele.

A data do nascimento do Anticristo é suficiente para negar validade a esta coisa. Tem mais.

O Anticristo é uma pessoa humana ímpia, o que significa que "demônio encarnado" é absurdo antiontológico. S. Paulo em II Tess. II diz isto:

"... o homem da iniqüidade, o filho da perdição, o adversário, aquele que se levanta contra tudo que tem o nome de Deus, ou o que se adora... A manifestação deste ímpio será acompanhada graças ao poder de satanás, de toda sorte de milagres, de sinais e de prodígios enganadores" (26).

(26) S. Paulo.  II Tess. II, 3-9.


Trata-se de uma pessoa humana ímpia ajudada por satanás.

A inconfundível estultícia da "profecia" é idéia muito antiga apresentada em sua descrição do Anticristo por Adso de Montier-en-Der do século X. Seguindo uma tradição que vem do século II segundo a qual o Anticristo seria judeu da Tribo de Dan, acrescenta que ele deveria ser filho de uma prostituta hebrea com um eclesiástico, além do que no momento da concepção o demônio entraria no ventre da prostituta como um espírito, para que a criança fosse a verdadeira encarnação do mal (27). Este tipo de fantasia parece veicular a idéia de que um ímpio tem que ser fruto de uma origem despicienda de fundo diabólico, ou, filho bastardo sacrílego. Quero lembrar que o Condestável Nuno Alves Pereira de Portugal, bem-aventurado, pessoa santa, era filho de padre. De acordo com a bobagem aqui referida ele deveria ter sido um monstro.

(27) Norman Cohn. Na Senda do Milênio. Milenaristas Revolucionários e Anarquistas Místicos da Idade Média, Editorial Presença, Lisboa, 1970, p. 64.


A tradição de que o Anticristo seria judeu não tem respaldo na Sagrada Escritura. Nem no Evangelho, nem no texto de S. Paulo que citei, nem em S. João (28) aparece a idéia do Anticristo judeu. No Evangelho há passagem interessante em que Jesus Cristo sugere que o Anticristo seria recebido pelo povo de Israel como o Messias. Eis o versículo:

"Eu vim em nome de meu Pai e vós não me recebestes; se outro vier em seu próprio nome, esse vós o recebereis" (29).

(28) I Jo.  II, 18-23. - (29) Jo. V, 43.


Segundo Sto. Tomás de Aquino, assim como Cristo tem a plenitude da santidade, o Anticristo teria a plenitude da iniqüidade (30).

(30) Sto. Tomás.   III S.T. q.8, a.8.


Ora, digo eu, se Jesus é a Verdade, o Anticristo será o oposto, ou seja, mestre completo da mentira. Assim, acredito que ele não será judeu, mas um pagão qualquer que apresentará sua árvore genealógica inventada como sendo descendente de David. Creio que os milenaristas da seita mórmon que acreditam que são descendentes das dez tribos dispersas de Israel e que cultivam a arte de levantar genealogias, serão de especial ajuda para o Anticristo. Então Nosso Senhor naquela passagem, sugere que um pagão que nada tem a ver com o povo judeu, se apresentará com prodígios e falsos argumentos sedutores e enganará muitos: judeus, milenaristas protestantes e ditos católicos. Os milenaristas como aquela turma de carismáticos soi-disant católicos estão prontos a acreditarem no falso Cristo para reinar na Terra durante mil anos. A grande massa de falsos católicos que infesta a Igreja hoje, e, teve seu começo no século XV, época em que S. Vicente Ferrer apontava a apostasia da Cristandade, é a maior força que dará embasamento à universal dominação do Anticristo. O povo judeu, creio eu, com base nesta reflexão, terá papel sem destaque no desenvolvimento da iniqüidade na era do "filho da perdição". Acontece que, o Apocalipse sugere fortemente isto que estou inferindo. Pois lá está dito:

"Levanta-te e mede o templo de Deus e o altar com seus adoradores. O átrio, fora do templo, porém deixa-o de lado e não o meças: foi dado aos gentios que hão de calcar os pés a cidade santa por quarenta e dois meses" (31).

(31) Apoc. XI, 1-2.


A destruição da Cristandade é realizada pelos "gentios", que são a grande coletividade que se diz católica, mas que é neo-pagã. Aqui está a grande força do Anticristo nos quarenta e dois meses, i.e., três anos e meio. É a Cristandade apóstata o substrato do poder anticristão. Por isso diz S. Paulo que terá de vir a apostasia primeiro a fim de surgir o Anticristo (26).

(26) S. Paulo.  II Tess. II, 3-9.


Outra passagem que não resiste ao critério cronológico, esta: "Eis a idade das idades, o fim, a extremidade está iminente". Ora, isto contradiz Jesus Cristo naquela passagem dos Atos dos Apóstolos (14).

(14) At. I, 7.


O segredo de Melânia também não resiste ao critério cronológico e extravagâncias que ferem a teologia. Repete a fantasia sobre o nascimento do Anticristo e acrescenta que ele nascerá com dentes. Ora, esta coisa se encontra nas ininteligíveis Centúrias de Nostradamus, a saber:

Entre muitos deportados para as ilhas. Um dentre eles nascerá com dois dentes... (II,7). A criança nascerá com dois dentes na boca... (III, 42).

Também como Maximino, afirma a iminência do fim da História nestas palavras: "Pois agora é o tempo dos tempos, o fim de todos os fins". Só isto já desacredita o "segredo" de Melânia. Aparece também esta sentença bizarra: "Haverá uma chuva, um temível granizo de animais". Bem, o profeta de plantão autor disto devia ter uma imaginação delirante.

A contradição está também presente na "mensagem". Pois antes diz que "agora é o fim dos fins" e depois termina com a frase: "Então a água e o fogo purgarão a Terra e consumirão todas as obras do orgulho humano e tudo será renovado. Deus será servido e glorificado".

Aparecem também duas datas o que torna a profecia suspeita. Profecias autênticas não têm datas, porque sendo originárias de Deus elas seguem o padrão bíblico das verdadeiras profecias. Está dito isto: "no ano de 1864 Lúcifer com um grande número de demônios serão libertados do inferno". Ora, bem antes em 1832, o Papa Gregório XVI, levando em conta a iniqüidade rampante disse na Encíclica Mirari Vos isto:

"... consideramos já escancarado aquele abismo (Apoc. IX, 3) do qual segundo foi dado a ver S. João, subia fumaça que entenebrecia o Sol e arrojava gafanhotos que devastavam a Terra".

A outra data é esta: 1865. Diz: "Nesse ano haverá a dessacralização dos lugares santos". Ora, S. Vicente Ferrer viu isto manifesto no século XV! A História mostra sem sombra de dúvida que a "autodemolição da Igreja" constatada por Paulo VI em 1968 e a "entrada da fumaça de Satanás na Igreja" anunciada pelo mesmo em 1969, teve seu início no século XV. A paganização da arte e a pesada aristotelização da filosofia dentro da Igreja tem a ver com o julgamento de Paulo VI (32).

(32) F.M. Gomide.  Da Filosofia Mecanicista à Física do Caos e da Indeterminação, Papel e Virtual Editora, Rio de Janeiro, 2005, Cap. XII.


II.7 - O FALSO SEGREDO DE FÁTIMA DE 1963

Em 15 de Outubro de 1963 a revista alemã Neues Europa publicou uma matéria sob o título "O Futuro da Humanidade" com autoria de L. Einrich (33). O texto era apresentado como o terceiro segredo de Fátima. Mais uma falsa revelação, visto que, não resiste à crítica, especialmente de natureza cronológica. Inicialmente chamo a atenção para a extensão do texto que é bem maior que aquele em que a Irmã Lúcia escreveu o terceiro segredo: eram poucas linhas (34).

(33) A. Woldben. After Nostradamus, Mayflorwer Books Ltd., Suffolk, U.K., 1977, pp. 174, 175.
(34) Frère Michel de la Sainte Trinité. The Third Secret Revealed... The Fatima Crusader, June-July, 1986.


Lembro-me que, quando li o texto pela primeira vez, tive a nítida impressão de obra inventada e/ou manipulada, pois vi nítidos ecos dos falsos segredos de la Salette. Vou listar aqui as sentenças da "profecia" que merecem análise crítica.

1) Um grande castigo sobre toda a raça humana terá lugar na segunda metade do século XX... o que eu já revelei para Melânia e Maximino em la Salette.

2) Satã governa nas posições mais altas... sucedendo em seduzir os espíritos dos grandes cientistas que inventam armas...

3) O tempo dos tempos virá e todas as coisas terão um fim, se a humanidade não se converter...

4) Cardeais se oporão a cardeais e bispos contra bispos...

5) Uma grande guerra se desencadeará na segunda metade do século XX. Fogo e fumaça cairão do céu... milhões e milhões de homens morrerão... e aqueles que sobreviverem invejarão os mortos.

6) O tempo está se aproximando e o abismo está se abrindo sem esperança.

A proposição nº 1 é violada pela História. Estamos em 2005. A nº 2 é típica da ignorância que perpassa o meio católico, especialmente eclesiástico: confusão de cientista com engenheiro. Ainda exibe o rancor secular no meio eclesiástico contra a ciência, especialmente a física (32, 35). Vimos em II.1 as parvoices históricas e o rancor contra a ciência do Pe. Stefano Gobbi. Eu poderia citar muitos exemplos.

(32) F.M. Gomide.  Da Filosofia Mecanicista à Física do Caos e da Indeterminação, Papel e Virtual Editora, Rio de Janeiro, 2005, Cap. XII.
(35) F.M. Gomide.  Filósofos, Cientistas e Anticiência, Ed. Albert Einstein, Curitiba, 1996, Cap. XIII.


O rancor anticiência, mostro que tem uma especial origem no século XV com a pesada aristotelização da escolástica via pontificado de Nicolau V e padres dominicanos. A derrubada da ciência aristotélica nos séculos XIII e XIV especialmente pelo agostinismo dos franciscanos sofreu reversão no século XV (36) e isto foi especialmente manifesto no século XVII com a condenação de Galileu e do heliocentrismo. Tal tradicionalismo pró-Aristóteles teve efeitos poderosos nas universidades protestantes, resultando no fenômeno anticiência entre literatos, filósofos e os estúpidos intelectuais ditos pós-modernos do século XX (36). E devemos insistir neste ponto: a origem comum das calúnias contra cientistas, ou seja, escolástica renascentista e seus herdeiros protestantes, determinou uma conjuminação moderna de escolásticos católicos, filósofos positivistas, materialistas, idealistas, fenomenólogos, existencialistas num coro cacofônico de ódio à ciência e aos cientistas (35, 36). O físico e historiador das ciências americano Gerald Holton nos dá um apanhado elucidativo da generalizada incompreensão sobre a natureza da ciência, e, a néscia identificação desta com tecnologia e engenharia (37).

(35) F.M. Gomide.  Filósofos, Cientistas e Anticiência, Ed. Albert Einstein, Curitiba, 1996, Cap. XIII.
(36) ______. Anticiência: Do Século XV aos Pós-Modernos. Anais de Filosofia (UFSJ), N. 10, 2003.
(37) Gerald Holton. As Falsas Concepções da Ciência. Aventuras do Espírito. Do The Saturday Evening Post, Ed. Fundo de Cultura, Rio de Janeiro, 1963.


A nº 3 está em parte no texto de la Salette. A nº 4 não é profecia, porque em 1963 estava em curso o Concílio Vaticano II que exibia claramente a confusão doutrinária entre os padres conciliares. A sentença nº 5 é a velha predição de muitos astrólogos e pândegos, que declamaram a vinda da III Guerra Mundial no século XX. A segunda parte da sentença nada tem a ver com alguma guerra mundial, mas se encontra em profecias conhecidas sobre os Três Dias de Trevas. A sentença nº 6 foi tirada do "segredo" de Melânia.

A Irmã Lúcia diz algo importante da parte da revelação de Fátima que ainda não aconteceu e não figura no tal "segredo de Fátima" de 1963. Cito a vidente de Fátima reproduzindo palavras da Virgem Santíssima em 1917:

"Se atenderem a meus pedidos a Rússia se converterá e terão paz. Se não, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão martirizados. O Santo Padre terá muito que sofrer. Várias nações serão aniquiladas. Por fim meu Imaculado Coração triunfará..." (38).

(38) Memórias e Cartas da Irmã Lúcia. Composição e Impressão de Simão Guimarães, Filhos Ltda, Porto, 1973


A primeira parte consiste de fatos que se realizaram após 1917. Já a aniquilação de várias nações, fato futuro, não está no "segredo de Fátima" de 1963. Observemos que em todas as revelações dadas a Francisco, Jacinta e Lúcia, nada de datas e só anúncios proféticos que se realizaram com precisão: fim da guerra de 1914 em 1918, II Guerra Mundial, propaganda comunista planetária, perseguições e martírios. Revelação divina autenticada pela realização histórica. A aniquilação de várias nações ainda não foi verificada e o "segredo de Fátima" de 1963 não o consigna: apenas fala de milhões de mortos, o que aconteceu na II Guerra Mundial com 55 milhões de baixas. Nessa guerra planetária houve muitas cidades arrasadas como Coventry, Dresden, Yokohama, Tókio, Hiroshima e Nagasaki, mas nenhuma nação fora aniquilada. Trata-se pois de fato futuro que muito provavelmente é incluso no terrível terceiro segredo que tem sido sistematicamente acobertado. Enquanto se acoberta Fátima se trombetea a empulhação de Medjugorje.

II.8 - OUTRO FALSO SEGREDO DE FÁTIMA DE 1962. LIGAÇÃO COM O DE 1963

Como vamos ver, este falso segredo de Fátima provavelmente foi o ponto de partida para o profeta de plantão da Revista Neues Europa de 1963 criar aquela farsa vista antes. Lamentavelmente o domínio das revelações privadas tem sido um campo por onde alegremente circulam pessoas ávidas do sobrenatural e do preternatural, sem possuírem seriedade e cautela necessárias para o estudo dessa temática. Uma boa formação histórica, bíblica e teológica é indispensável para se evitar julgamentos apressados e que facilitam o emocionalismo pseudoprofético. Tais indivíduos facilmente se transformam em profetas de plantão, ou seja: manipuladores de profecias e criadores de novas profecias. Isto, sem contar a existência de religiosas falsas videntes como Maria de Agreda e Catarina Emmerich, cujas revelações são sob o aspecto teológico e científico quase que totalmente inaceitáveis. Entusiasmar-se por tais videntes, como vi acontecer com membros da seita TFP, é caminho aberto para a difusão de verdadeiras charlatanices proféticas. A História é rica em exemplos, o que procuro explicitar aqui. No século XX em especial, tem havido uma impressionante multiplicação de falsas revelações. O beneditino Dom Bernard Billet levantou uma lista de mais de duzentas putativas aparições marianas todas elas reconhecidas como falsas pelas autoridades eclesiásticas (39).

(39) Albert J. Hebert, S. M.  Prophecies. The Chastasiment and Purification, P.O Box 309, Paulina, La. 70763, 1986, p. 25.


Este "segredo" de Fátima está decalcado sobre o já conhecido falso segredo de la Salette, o que o torna inaceitável como o primeiro. Trata-se de mensagem enviada pelo Pe. André Althoffer para os padres conciliares do Vaticano II em 08 de Dezembro de 1962. O conteúdo é à peu près o mesmo do "segredo" de 15 de Outubro de 1963 na Revista Neues Europa. A meu ver o profeta de plantão desta revista alemã teve acesso à mensagem do Pe. Althoffer e resolveu espalhar sua versão da coisa.

A história do presente "segredo" de Fátima tem sua origem numa vidente anônima conhecida do Pe. André Althoffer, a qual dizia ver Maria Santíssima. A vidente se prontificou a apresentar à Virgem as perguntas feitas pelo sacerdote, quase todas baseadas no falso segredo de la Salette (40).

(40) Pe. André Althoffer.  Le Secret de Fátima Dévoilé. Mensagem redigida do Pe. Althoffer e enviada para os padres conciliares em 08 de Dezembro de 1962


Vou aqui listar algumas sentenças de respostas ao Pe. Althoffer. São as seguintes:

1º) O poder foi concedido por setenta e cinco anos ao demônio a partir do pontificado de Leão XIII.

Ora Leão XIII morreu em 1903, o que significa que em 1978 teria terminado esse poder infernal sobre a humanidade. Estamos em 2005 e a apostasia denunciada na "revelação" tem crescido assustadoramente. De novo o critério cronológico é violado.

2º) As penas físicas serão o resultado do desregramento da ciência sem Deus, da desordem introduzida na natureza, da ação do demônio e da crise atual da medicina.

Aqui de novo o espírito anticiência que aparece no "segredo" de 1963, típico do meio eclesiástico decadente a partir do século XV. ONGs ecológicas e filósofos franceses do pós-modernismo teriam linguagem análoga.

3º) O começo do castigo que durará mais de trinta e cinco anos, em parte teve começo com a crise hitleriana; estes trinta e cinco anos começaram com a guerra de 1939.

Isto aqui é ambíguo. Em primeiro lugar, o que vem a ser a "crise hitleriana"? O início do nazismo na década de 20 ou o poder de Hitler a partir de 1936? E, depois os mais de trinta e cinco anos começariam em 1939. Esta confusão tira credibilidade à sentença em apreço.

4º) A França, a Espanha, a Inglaterra e a Itália estarão em guerra. Haverá revoluções nesses países. Haverá uma guerra geral provocada pela Rússia. Estes acontecimentos virão depois do resultado do Concílio Vaticano II. É o Concílio que decidirá tudo. Ele terminará bem ou não chegará a termo, o que será um mal, ou, ele terminará mal, o que será pior. O primeiro golpe da justiça divina se verificará após o Concílio. O Concílio é o acontecimento capital atualmente.

O Concílio Vaticano II acelerou todo o processo de apostasia dentro da Igreja. Basta contemplar a abominável pocilga sonora de músicas caipiras durante as missas, especialmente neste "maior país católico do mundo". Missas sacrílegas e multiplicações de escândalos, e, nada do que foi anunciado aconteceu após o Concílio. A III Guerra Mundial que seria provocada pela URSS não aconteceu e lembremo-nos que em 1991 a grande potência comunista entrou em colapso, graças ao repúdio ao marxismo pelo Cristianismo do povo russo e a interrupção do generoso apoio financeiro dado à União Soviética pelas vexatórias democracias, sobretudo os USA. O testemunho da História contradiz a "profecia".

5º) Após o Concílio, ou, após o castigo, haverá uma era de paz de vinte e cinco anos.

Essa era de paz de vinte e cinco anos está no falso segredo de la Salette. Intervalos de tempo ou datas são ausentes em profecias genuínas. Portanto...

6º) Atualmente nós vos falamos do fim de um tempo, vós estais na época do fim dos tempos.

Além de ambíguo, este oráculo contradiz as palavras de Jesus Cristo em At. I, 7.

7º) A China e a Rússia são o Anticristo anunciado.

Isto fere a Sagrada Escritura em vários lugares: em II Tess. II, 3, 4, 8; I Jo. II, 18, 19, 22; Apoc. XIII, 4-8, 18, XIX, 20. Nestas passagens do Novo Testamento fica claro que o Anticristo é uma pessoa humana, não uma instituição.

8º) A falsa paz precederá de imediato a plenitude dos tempos e Nostradamus a anunciou.

A Virgem Santíssima teria pedido o apoio para suas palavras na pessoa de um astrólogo e falso profeta?! Isto foi obviamente escrito por algum admirador de Nostradamus, o qual é considerado pelos estultos como o maior profeta da humanidade.

II.9 - AS FALSAS REVELAÇÕES DE GARABANDAL DE 1961 A 1965

Muitas aparições foram reivindicações por quatro meninas espanholas de 11 a 12 anos em Garabandal, Espanha, que começaram em 1961 e terminaram em 1965. Esta pletora de aparições, como em Medjugorje, já é suficiente para colocar essas videntes num freezer de extrema suspeita. "Sera Garabandal el Fátima español?", pergunta que surgiu nas paragens hispânicas com inconfundível sabor nacionalista (41).

(41) Mensaje en Garabandal.  Impreso en Organizacion Cerrillos. Benites Moreno Hermanos. Corrientes 2322 – 6º piso, of. 606


Na última aparição, S. Miguel teria revelado às "videntes" que um milagre aconteceria na região, seria visto por muita gente, inclusive pelo Papa Paulo VI e o Padre Pio onde eles estivessem (41). Isto foi anunciado em 18 de Junho de 1965. O Pe. Pio morreu assim como Paulo VI, e, não aconteceu nada. Tal como em Medjugorje, o milagre anunciado não chegou a ser verificado. Muito diferente do que acontecera em Fátima, onde se verificou o milagre prometido, e, testemunhado por milhares de pessoas. Fátima espanhol? Cáspite! Quero ainda consignar que no local das aparições foi construída uma horrendíssima capela (42) muito semelhante às modernas igrejas erigidas no "maior país católico do mundo".

(41) Mensaje en Garabandal.  Impreso en Organizacion Cerrillos. Benites Moreno Hermanos. Corrientes 2322 – 6º piso, of. 606
(42) Louis Even.  Saint Michel à Garabandal. Vers Demain, Mai-Juin/1968. Roujemont, P. Québec


Diferentemente do que aconteceu com as "mensagens" de Medjugorje, livremente divulgadas pelo mundo, as de Garabandal foram afogadas no nascedouro. O bispo de Santander, como o de Mostar, negou autenticidade às revelações das meninas espanholas. O Bispo Dom Vicente P. Montis, após uma análise das declarações das "videntes" concluiu (43):

1º) Não houve nenhuma aparição, nem de S. Miguel, nem da Santíssima Virgem, nem de qualquer outro personagem celeste.

2º) Não houve mensagem alguma.

3º) Todos os fatos ocorridos na mencionada localidade têm uma explicação natural.

O bispo de Santander enviou a documentação ao Cardeal Ottaviani, pró-prefeito do Sto. Ofício, o qual confirmou o resultado de Dom Vicente P. Montis (43). Lamentavelmente parece que o novo discatério, da década de 80 em diante não teve o mesmo zelo daquele no pontificado de Paulo VI. Por isso a vozearia em torno de Medjugorje perdura até hoje.

(43) Mons. Vicente P. Montis.  As “Aparições” de Garabandal, Revista Ecles. Brasileira, Vol. 27, p. 376, 1967


II.10 - ABBÉ GEORGES DE NANTES. "PROFECIA" PARA 1983

Em II.1 falei sobre os disparates dos cálculos proféticos do Pe. Stefano Gobbi e seu rancor anticiência, que não é incomum no meio eclesiástico decadente dentro da Igreja Católica. Disse eu que poderia dar muitos exemplos dessa atitude anticiência fundada numa deplorável subserviência à cediça física de Aristóteles. Em 1993, certo prelado brasileiro, Dom Dadeus Grings insultou a nós físicos dizendo que tornamos a realidade material depenada e oca porque rejeitamos a tabela das categorias de Aristóteles (35, 44). Como considerei antes em II.1, o grande físico teórico francês Pierre Duhem, criador da nova historiografia das ciências no início do século XX, católico devoto, provou que do século XIII ao século XIV, com a escola franciscana, a física de Aristóteles entrou em colapso. A História mostra que os cinco grandes da Revolução Científica, Copérnico, Tycho Brahe, Kepler, Galileu e Newton (séc. XV-XVII) reduziram a pó a astronomia e a física de Aristóteles (45). É vexatório e deprimente eclesiásticos e leigos católicos agredirem os físicos com base numa adesão doentia às vetustas e erradas teses da filosofia natural aristotélica, incorporadas à filosofia escolástica originária da Renascença.

(35) F.M. Gomide.  Filósofos, Cientistas e Anticiência, Ed. Albert Einstein, Curitiba, 1996, Cap. XIII.
(44) Dom Dadeus Grings.  Superação da Modernidade, Communio, N. 63, 1993.
(45)
A. Rupert Hall.  The Scientific Revolution, Beacon Press, Boston, 1966.


O padre francês Georges de Nantes é um exemplo paradigmático dessa atitude anticiência. São abundantes suas sentenças néscias contra a física (46). Cito algumas, estas: la microphysique moderne est perverse, la théorie des quanta est la dénaturation des corps, complication infinie de l'atome, complication incroyable de l'electronique, l'imposture de la relativité, irruption devastatrice de l'indéterminisme. Além dessas frases próprias de quem é ignorante pretensioso e arrogante, metendo-se em seara alheia, insulta Einstein chamando-o de Picasso e classifica os físicos como loucos em liberdade. Elogia o grand Maritain, medíocre filósofo escolástico pseudotomista, que procurou em 1924 provar que Einstein estava errado (47). Critica o Papa João Paulo II porque este considerou injustas as condenações do Santo Ofício do século XVII a Galileo Galilei e ofende o grande físico italiano com os epítetos de fumista, grande tratante e insolente (48).

(46) Abbé Georges de Nantes.  Cosmologie. Matière-Energie... et Esprit? Pour en Finir avec Einstein, La Contre-Réforme Catholique, N. 161, 1981.
(47) Jacques Maritain.  De la Métaphysique des Physiciens ou de la Simultanéité selon Einstein; Ap. III. Réflexions sur L’Intelligence, Nouvelle Lib.
Nationale, Paris, 1924
(48)
Ab. G. de Nantes. Notre Démarche à Rome Le 13 Mai 1983, La Contre Réforme Catholique, N. 190, 1983.


Em Novembro de 1981, o Abbé anunciou com autoridade profética a Échéance em 1983, ou seja: a capitulação da Europa à União Soviética. Proclamou solenemente o seguinte oráculo:

"Nada impede hoje que eu anuncie para a Europa e o mundo: a Capitulação é para 1983. Vós tendes ainda dois anos. Não tereis mais de dois anos" (49).

(49) Ab. G. de Nantes. L’Échéance... 1983. Plus que Deux Ans...  La Contre Réforme Catholique, Nº Spécial, 1981


A História, esta misteriosa e majestosa sinfonia, cujo maestro é Deus, Ser Infinito, Insondável, Transcendente e Omnisciente, não se desenvolve conforme os caprichos e wishful thinkings de pobres mortais pretensiosos e arrogantes.

Nada aconteceu em 1983, e, em 1991, o colossal Império Soviético desmantelou-se. Fim ridículo da profecia do Abbé Georges de Nantes. Um belo castigo para um padre pouco humilde, que, ignorando pesquisa científica se arvorou em crítico feroz da física moderna, além de se julgar dotado de iluminação sobre o futuro de nosso planeta.

RESUMO DAS PRINCIPAIS FALSAS PROFECIAS

1º) Heresia quiliástica: a segunda vinda de Cristo seria para Ele reinar na Terra durante um Milênio.

2º) III Guerra Mundial no século XX com armas nucleares. Seria o grande castigo provocado pela União Soviética.

3º) A última guerra seria a Batalha de Armagedon que traria o fim do mundo. No Apoc. XVI, 16 é feita menção de uma reunião de reis em Armagedon, nada de guerra ipsis litteris ou fim do mundo.

4º) O Anticristo seria judeu da tribo de Dan, um demônio encarnado fruto de uma união sacrílega.

5º) O Milênio seria a terceira e última idade da História, a era do Espírito Santo, precedida por um suposto "batismo" do Espírito Santo nos eleitos, que seriam os "apóstolos dos últimos tempos".

6º) O Milênio começaria com um Papa Santo, o Pastor Angélico, ajudado pelo Grande Monarca francês descendente dos Bourbons. E, of course, o Pastor Angélico seria francês aussi.

7º) O último Papa, de acordo com a pseudo profecia de S. Malaquias se chamaria Pedro II.

8º) Chegará no século XX um "monstro", que os astrólogos alegremente identificam com um corpo celeste que se chocará com a Terra e determinaria o fim do mundo em 1999.

9º) A apostasia na Igreja teria começado em 1865.

10º) Identificação do Anticristo com a Rússia e a China.

topo da página

índice de trabalhos

índice de autores