digitação utilizada para inclusão no site:
06/02/2005

Ameaça dos NEOs - Fogo, Trevas, Tsunamis (1)

Fernando M. Gomide

INTRODUÇÃO

Significado dos termos NEO e tsunami. O primeiro é sigla da expressão inglesa Near Earth Objects, que em português quer dizer Objetos Próximos da Terra. Podem ser asteróides ou cometas. Já tsunami é palavra japonesa que está consagrada na literatura científica. Ela significa ondas oceânicas produzidas por erupções vulcânicas, por terremotos, impactos de asteróides ou cometas nos oceanos. São ondas gigantes que podem ser de 5 metros de altura até mais de 300 metros. Agora, logo depois do Natal de 2004, terremoto no fundo do Índico produziu tsunamis da ordem de 12 metros que mataram mais de 280 mil pessoas em 14 países da Ásia e da África.

No Capítulo I abordamos a temática em torno dos possíveis ou prováveis choques futuros de cometas e asteróides em nosso planeta, além dos resultados de pesquisas científicas que confirmam a queda no passado desses objetos em nossa mansão. Um desses choques há 65 milhões de anos, varreu da face da Terra a fauna dos dinossauros e reduziu a cinzas as florestas da época. Isto deixou efeitos na Terra que foram pela primeira vez detectados em 1980 e ensejaram uma sistemática pesquisa com resultados realmente espetaculares.

Mas existem dados observados em nossa época sobre o impacto de pedras destruidoras sobre a Terra e o planeta Júpiter. Em 1908 em Tunguska na Sibéria, um meteorito de uns 70 metros de diâmetro explodiu destruindo uma vasta floresta de pinheiros. Mortes humanas, parece não terem sido constatadas porque se tratava de região deserta. Mas a explosão desse evento foi ouvida a muitos quilômetros de distância. A energia liberada no estouro, segundo estimativa dos cientistas envolvidos, foi equivalente à da explosão da maior bomba de hidrogênio conhecida. Os ufólogos, gente que de modo geral carece de formação científica e aos quais não falta imaginação, acreditam que o evento de Tunguska foi explosão nuclear de nave extraterrestre. Cáspite! Outro acontecimento espetacular, este em 1994, observado pelos astrônomos mediante o telescópio espacial Hubble, o satélite Galileu e numerosos observatórios no solo, foi a queda no planeta Júpiter dos fragmentos do cometa Schoemaker-Levy 9. O núcleo original do cometa devia ter um diâmetro da ordem de um quilômetro e meio e a energia liberada no impacto deveria ser de 300 mil bombas de hidrogênio de um megaton. As bombas nucleares que o governo americano criminosamente mandou jogar em Hiroshima e Nagasaki (centros do catolicismo japonês), foram "meros traques" de 10 kilotons.

Com base nos dados científicos disponíveis nas últimas décadas, procuramos no Capítulo I analisar os efeitos cataclísmicos oriundos de um impacto de cometa ou asteróide em oceanos e/ou massas continentais. Tais efeitos articulados procuro mostrar no Capítulo III estão presentes numa série de profecias particulares iniciadas no século XII com Sta. Hildegarda de Bingen. Essas profecias dizem respeito a um fabuloso castigo divino que irá varrer da face da Terra uma substancial parcela da raça humana. A profecia de Sta. Hildegarda fala de um impacto de cometa no oceano produzindo tsunamis que iriam destruir numerosas cidades e massas continentais. Mas antes de analisar esta questão relativa a essas profecias que começaram a se multiplicar partindo do século XVIII, achei por bem no Capítulo II abordar tema relativo a falsas profecias e errôneas interpretações de profecias bíblicas, em especial aquela de Sto. Irineu no século II que procurou provar que o Anticristo surgiria no século XX.

Analiso nesse Capítulo II empulhações proféticas tais como os falsos segredos de la Salette, dois falsos segredos de Fátima produzidos respectivamente em 1962 e 1963, os cálculos "proféticos" do Pe. Bartolomeu Holzhauser (séc. XVII) que deu a data da morte do Anticristo em 1911 e outro cálculo profético do Pe. Stefano Gobi (séc. XX) pelo qual em 1998, seria levantada estátua do Anticristo. Também me refiro a outras imposturas como as supostas revelações dos seis videntes de Medjugorje, propaladas por certa classe de padres que teimam em ignorar a condenação da coisa em 1984 pelo bispo Pavao Zanic da Diocese de Moster, à qual pertence o local das "aparições". Aliás no Brasil, existe certo fanatismo que divulga as mentiras dos "videntes" iuguslavos de Medjugorge. Quando eu ainda estava em São José dos Campos, me cansei de ouvir certos padres proclamarem em sermões a autenticidade dos "oráculos". A primeira vez que li sobre as "revelações" de uma das "videntes", fiquei convencido de que se tratava de empulhação. A descrição do céu por essa "vidente" parecia o céu representado por novela da TV Globo. Quero ressaltar que a literatura de mistificações nesse terreno é abundante, e, sem falar nas charlatanices de astrólogos e esotéricos, as fantasias proféticas do abade Joaquim de Flora (séc. XII) "inspirou" numerosos discípulos ao longo dos séculos até nossos dias. As numerosas revelações inautênticas, mostro que não resistem ao critério cronológico, já que com freqüência elas inerem épocas e datas, as quais são desmentidas pelo curso da História. Devemos sempre, no mínimo, encarar profecias envolvendo datas como extremamente suspeitas. Quantas vezes li sobre anúncios "proféticos" vaticinando uma III Guerra Mundial para o século XX!

No Capítulo IV, exibimos profecias bíblicas do Antigo Testamento e do Apocalipse, cujo conteúdo lembra os anúncios proféticos relatados no Capítulo III, ou seja: a chuva de fogo e as trevas. Essas revelações da Sagrada Escritura dizem respeito a um flagelo universal entitulado Dia do Senhor ou Dia de Javé. Exemplifico com esta passagem de Joel II, 1-3:

"Estremeçam todos os habitantes da terra, eis que se aproxima o dia do Senhor, dia de trevas e escuridão, dia nublado e coberto de nuvens. Diante dele um fogo devorador, e atrás, uma chama abrasadora".

topo da página

índice de trabalhos

índice de autores